O medo e da agressão são dois problemas mais comuns de comportamento em cães e gatos. Um animal de estimação que está assustado ou preocupado fica com a cabeça mais baixa do que ao seu redor. Ele evita contato direto com os olhos e pode ficar “congelado” ou tentar escapar. Suas orelhas geralmente ficam mais próximas da cabeça e sua cauda é colocada entre as pernas.

A boca está fechada ou ligeiramente entreaberta. O animal pode tremer e manter a distância entre ele e a pessoa ou coisa que ele teme. As pupilas ficam geralmente bem dilatadas. Alguns animais fazem barulhos quando eles estão com medo ou se sentem ameaçados. As fêmeas, em particular, podem urinar ou, em casos extremos, defecar. Se o animal foge, ele pode olhar para trás sobre seu ombro para ter certeza que não está sendo perseguido.

Por que meu bichinho está assustado?

Alguns animais tem mais medo do que outros, naturalmente. Outros podem ter tido experiências ruins de socialização quando filhotinhos. Em muitos casos, a principal causa é um trauma prévio naquela mesma situação.

Doenças e outras condições de saúde podem também causar esse comportamento assustado, e é importante consultar um bom veterinário para obter orientações sobre o comportamento do animal.

Cuidando de animais que vivem muito assustados

Um bichinho assustado pode receber um bom tratamento e cuidados, desde que seu dono reconheça as causas e faça todo o tratamento acompanhado por um bom veterinário. (Foto: www.petcareintl.com)

Cachorro medroso: como tratar? E gato medroso? Como tratar?

Um bichinho de estimação sempre vai precisar da ajuda dos donos para tratar seu excesso de medo. E o começo do tratamento sempre é em um bom veterinário. Ele fará exames e verificará por dores no bichinho de estimação que possam estar causando o medo.

Animais que sofrem de ansiedade de separação, quando ficam sozinhos, precisam de cuidados especiais. Geralmente, o ideal é dar a eles algum tipo de companhia, como alguma gravação com sua voz, ou mesmo um bichinho de estimação amigo.

Para tratar os outros medos, é preciso seguir um procedimento padrão de identificação dos estímulos do medo, estratégias de treinamento, e condicionamento do animal de estimação. Vamos ver isso em detalhes.

Passo a passo para tratar os medos do seu cão ou gato

  1. Determine os estímulos que amedrontam seu cão ou gato: podem ser objetos, sons, cheiros, pessoas, etc.
  2. Crie uma forma controlada do “susto”: para treinar seu bichinho a lidar com o medo, é necessário criar um ambiente controlado para condicioná-lo ao que o assusta, e mostrar que aquele objeto, som, ou pessoa, não fará mal algum. Se é algum som, grave o som para poder usar. Se for um aspirador de pó, deixe ele separado para o treinamento. Prepare um ambiente seguro, com uma casinha ou caminha para o bichinho se esconder.
  3. Petiscos para seu bichinho: perto do que deixa seu bichinho assustado, deixe petiscos. Ele vai se sentir mais confortável quando o que o deixa assustado cheira à comida.
  4. Relaxe: seu bichinho percebe quando você está tenso. Relaxe. Deixe o animal se familiarizar com o objeto de seu medo.
  5. Prepare seu bichinho: para cães, é necessário colocar uma focinheira, evitando que ele morda alguém. Gatos podem receber o mesmo tratamento, além de luvas ou capas para as unhas.
  6. Ativando o medo: com o bichinho mais familiarizado ao objeto, pessoa, ou som que o assusta, crie uma forma mais “ativa” do susto, com o animal longe da fonte do medo. Usando o exemplo do aspirador de pó, ligue o aparelho no meio da sala, e deixe ele funcionando. Com seu bichinho em uma coleira, vá chegando perto e conversando positivamente, dando petiscos pra ele. Se for uma pessoa a causa do medo, à medida em que que estiverem se aproximando, vá dando guloseimas pro bichinho, e peça à pessoa para dar algumas também.
  7. Brinque com o bichinho durante os estímulos: quando o animal estiver mais confortável com os estímulos de medo, comece a brincar com ele, usando os brinquedos favoritos, tira gostos, ração, etc. Faça carinho no animal, sem tirar os estímulos de medo de perto. Ele vai começar a associar coisas boas ao que antes causava medo. Gradualmente, você poderá remover a focinheira e proteções, para que o animal se sinta mais à vontade.

Não tenha receio de pedir ajuda a profissionais

Treinar um cão ou um gato não é uma tarefa fácil. Se você perceber que não consegue treinar seu bichinho sozinho, ou o progresso é muito lento, procure a ajuda de um instrutor profissional. Procure um bom adestrador em sua cidade, e peça a ajuda dele. Não é tão caro, e vale a pena para ajudar a cuidar da saúde comportamental do seu bichinho de estimação.

Conselhos para tratar os medos de seu bichinho de estimação

Cesar Millan, um famoso adestrador de cães (que aparece no vídeo acima), tem uma filosofia interessante para os bichinhos de estimação: Exercício, Disciplina, Afeição, necessariamente nessa ordem. Cães e gatos que não se exercitam tem dificuldade na socialização. Se eles não são disciplinados, perdem os limites, e passam a assumir comportamentos ruins. Se não recebem afeição, se sentem isolados.

É necessário fazer um equilíbrio dos três, sempre começando por uma boa dose de exercícios (passeios, brinquedos, espaço para diversão, etc), condicionamento (chamar a atenção do bichinho, não permitir que ele faça certas coisas, etc), e afeição (carinho, petiscos, guloseimas, etc).

O que nunca fazer para tirar o medo do seu bichinho?

Não castigue, nem aumente a voz contra seu cão ou gato quando ele estiver com medo. Não o force ou arraste para encontros com os objetos, pessoas, ou coisas que o assustam.

Intervenções devem ser feitas no momento do treinamento, nunca antes ou depois. Não tente treinar seu bichinho se você mesmo está apreensivo ou tenso.

Com muito cuidado, é possível tratar o medo do seu amiguinho. Tenha paciência e consulte um veterinário e um adestrador profissional para acompanhar o processo.

Já teve algum bichinho de estimação medroso? Como ele foi tratado? Teve algum tipo de treinamento?

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO prescrevemos substâncias ou tratamentos veterinários. NUNCA faça tratamentos em seu animal ou utilize substâncias, mesmo que naturais, sem a indicação de um veterinário.

2 comentários para “Cão ou gato muito medroso: o que fazer?”

  1. Isabel Marcelina Silveira

    Gostei muito da informação. Tenho um gatinho, mas estou insegura. ÀS vezes, penso em doá-lo, pois moro em apartamento e saio todos os dias. Ele fica sozinho. E é muito bagunceiro. Não sei o que faço. É Uma dúvida cruel.

    Responder
    • Equipe Estimação

      Isabel, tem que começar a disciplinar o gatinho, pegar dicas de treinamento. O quanto antes você fizer isso, melhor para controlar o comportamento dele.

      Responder

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)