Pancreatite em gatos, como cuidar?

Escrito na categoria "Pets | Animais de estimação" por André M. Coelho.

A pancreatite em gatos é uma condição inflamatória do pâncreas que afeta menos de 2% dos gatos. Mas o que faz um pâncreas, afinal? O que causa inflamação? Mesmo que a condição seja relativamente rara, aprender a detectar os sinais de pancreatite felina pode ser importante para a saúde do seu gato.

Quais os sinais da pancreatite em gatos?

O pâncreas é um pequeno órgão entre o estômago e os intestinos do seu gato. Esse órgão desempenha um papel crítico na produção de hormônios chamados insulina e glucagon, que regulam o açúcar no sangue. O pâncreas também produz enzimas digestivas que ajudam a quebrar gorduras, proteínas e carboidratos.

Essa ampla gama de questões significa que os sinais de um problema pancreático geralmente imitam outras condições médicas. Alguns desses sinais incluem:

Vômitos e dor abdominal também podem ser sinais da condição, mas esses sinais são mais comuns em pessoas e cães com pancreatite do que em gatos.

Gatos que desenvolvem doença hepática gordurosa (lipidose hepática) ao mesmo tempo também podem mostrar sinais de icterícia, como gengivas e olhos amarelos.

Mesmo sintomas vagos, como letargia e diminuição do apetite, justificam uma visita ao veterinário. Quanto mais cedo os sinais forem detectados e o tratamento começar, melhor será o prognóstico do seu gato.

Pancreatite em gatos

A pancreatite em gatos tem sintomas claros, que ao serem identificados precisam ser tratados com urgência. (Foto: Bow Wow Meow)

O que causa pancreatite felina?

A causa exata da maioria dos casos de pancreatite felina é desconhecida. A condição tem sido associada a gatos ingerindo venenos, contraindo infecções parasitárias ou sofrendo trauma como um acidente de carro.

Às vezes, os gatos desenvolvem pancreatite ao lado de doença inflamatória intestinal ou colangiohepatite (doença hepática).

Comer muita comida gordurosa é um risco claro de pancreatite para cães,, mas a ligação entre excesso de gordura e problemas de pâncreas em gatos ainda está sendo estudada.

Diagnóstico de doenças no pâncreas do gato

A pancreatite em gatos é dividida em dois pares de categorias: aguda (súbita) ou crônica (em andamento) e leve ou grave. Existe uma disparidade entre o número de gatos que vivem com pancreatite felina e o número que é realmente diagnosticado e tratado. Isso ocorre principalmente porque os gatos com casos leves podem mostrar muito poucos sinais da doença.

Os sintomas que não parecem específicos para uma doença podem não levar os pais a agendar uma consulta veterinária. A pancreatite felina também não é fácil de diagnosticar definitivamente sem uma biópsia ou ultrassom. Muitos pais de animais abandonam esses testes de diagnóstico, pois podem ser caros.

Felizmente, os cientistas veterinários continuam melhorando as ferramentas de diagnóstico disponíveis. O teste de imunorreatividade à lipase pancreática felina (fPLI) é um exame de sangue não invasivo simples que procura marcadores de pancreatite. O teste sérico de imunorreatividade do tipo tripsina felina (fTLI) não é tão confiável quanto o fPLI para diagnosticar pancreatite, mas pode ajudar a identificar insuficiência pancreática exócrina, uma doença que o Parceiro Veterinário observa que os gatos com pancreatite felina crônica podem desenvolver.

Tratamento da pancreatite: atendimento de emergência

A pancreatite felina aguda representa o risco mais grave e quase sempre requer hospitalização. A pancreatite crônica, dependendo da gravidade do caso do seu gato, pode exigir visitas periódicas ao hospital, mas geralmente pode ser gerenciada em casa. Um hospital de animais tratará seu gato com fluidos intravenosos para combater a desidratação. Fluidos intravenosos também são necessários para desintoxicar o pâncreas de substâncias químicas inflamatórias prejudiciais. Eles também podem ser administrados para combater a desidratação.

Enquanto ela estiver hospitalizada, seu gato pode receber antibióticos para minimizar o risco de pancreatite supurativa (infecciosa). Os veterinários do hospital também fornecerão ao seu gato alívio da dor, além de remédios contra a náusea para ajudar a combater a náusea que o seu gato possa ter. É necessário confortar um gatinho com pancreatite para ajudá-la a recuperar o apetite.

Alimentação para gato com pancreatite

Depois que ela volta para casa do hospital, a maioria dos veterinários recomenda alimentar o seu gato o mais rápido possível, se ele tiver apetite e não estiver vomitando. Se o seu gato vomitar com freqüência e não corre risco de doença hepática gordurosa, o seu veterinário pode sugerir um plano alternativo para reintroduzir a comida por alguns dias. Gatos com evidência de doença hepática gordurosa precisam de apoio nutricional imediato para evitar problemas hepáticos perigosos.

É importante alimentar seu gato com um alimento apetitoso e de fácil digestão enquanto ele se recupera. Eventualmente, seu veterinário pode recomendar um alimento que ajude com um problema associado, como doença inflamatória intestinal. Para animais de estimação que têm problemas para comer, os veterinários geralmente usam medicamentos chamados antieméticos que diminuem a náusea, controlam o vômito e permitem que seu gato recupere seu apetite.

Um gato com pancreatite que não pode comer por conta própria pode precisar de um tubo de alimentação. Existem vários tipos de tubos de alimentação. Um tipo comum se encaixa em uma coleira macia que permite que seu gato se mova e brinque normalmente sob supervisão. Seu veterinário discutirá as várias opções e ensinará como administrar alimentos, água e medicamentos através do tubo. Embora os tubos possam parecer intimidadores e dolorosos, eles são relativamente fáceis de usar, gentis com o seu gato e extremamente importantes no fornecimento de calorias e nutrientes críticos enquanto ele se recupera.

Embora os casos graves de pancreatite felina exijam internação hospitalar e atendimento especializado, muitas formas de pancreatite felina são leves e não ameaçadoras. Aprender a identificar os sinais de um problema e agir rapidamente é a melhor maneira de manter seu gato saudável. Mesmo os gatos que desenvolvem problemas adicionais, como insuficiência pancreática exócrina ou diabetes mellitus, são capazes de viver vidas longas e felizes com os cuidados adequados.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas!

Sobre o autor

Autor André M. Coelho

André sempre se preocupou com animais de estimação e já teve cachorros, gatos, chinchilas, peixes, e hamsters. Para poder cuidar dos seus bichos, teve de pesquisar e estudar muito, conversando com técnicos e profissionais da área. Desde 2012, decidiu compartilhar com os leitores do blog o conhecimento que aprendeu em todo este tempo.

Aviso legal

O conteúdo deste site tem caráter apenas informativo. NÃO prescrevemos substâncias ou tratamentos veterinários. NUNCA faça tratamentos em seu animal ou utilize substâncias, mesmo que naturais, sem a indicação de um veterinário.

Deixe um comentário